Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *

Purus

Governo do Acre mantém na Justiça alíquota do ICMS na conta de energia elétrica

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Os consumidores dos serviços de eletricidade do Acre vão continuar pagando a alíquota do ICMS na conta de energia. É o que decidiu a juíza Shirlei Menezes, da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais, na última terça-feira, dia 04 de abril.

Essa é uma espécie de derrota da deputada estadual Eliane Sinhasique (PMDB), que acionou a Justiça para a pausa na cobrança. Ao decidir, a juíza acreana usou como base uma decisão sob relatoria do Poder Judiciário do Rio Grande do Sul, que manteve, sim, a cobrança.

Segundo a juíza Shirlei Menezes, a decisão dada anteriormente, suspendendo a cobrança do ICMS, representa “risco de dano grave, de difícil ou impossível reparação”, lembrando a possibilidade de que a Eletroacre seja obrigada a realizar “o depósito judicial da parcela do imposto que vier a ser excluída da base de cálculo do ICMS”, destacou na decisão.

O que poderia acontecer é o seguinte: a Eletroacre, companhia de eletricidade que fornece os serviços no Acre, iria cobrar normalmente dos consumidores acreanos, contudo, esses valores seriam depositados em conta judicial, não sendo, provisoriamente, repassados diretamente à Secretaria da Fazenda (Sefaz).

“Assim, entendo que o presente tema encontra-se em ampla discussão no cenário nacional. A manutenção de uma decisão suspendendo os referidos descontos pode, num futuro próximo, ser extremamente danoso ao usuário final/consumidores, pois em caso de manutenção do entendimento exarado pelo Superior Tribunal de Justiça, poderá o Estado se valer do direito da cobrança de todos os valores que foram suprimidos, caracterizando violação, nesta análise preliminar da questão, do direito do agravante e até do próprio agravado, existindo elementos convincentes que indiquem a possibilidade de dano de difícil ou de incerta reparação”, explica a Magistrada na decisão. Com informações oaltoacre.

Curta nossa página no Facebook

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015