Artigos

Blitz apreende táxis que rodavam sem permissão

O saldo da operação foi a autuação de 11 taxistas e a apreensão de 05 veículos que estavam ‘trabalhando’ de forma clandestina


Blitz apreende táxis que rodavam sem permissãoA Polícia Militar em parceria com o Sindicato dos Taxistas de Boca do Acre realizou uma blitz nesta terça-feira (15) com o intuito de tirar de circulação os veículos que estão na praça sem concessão e aqueles que estão com pendências documentais.

O presidente do Sindicato dos Taxistas de Boca do Acre, Francisco Freire, afirmou que muitos taxistas estão trabalhando de forma irregular e que a operação é para tentar coibir essas ilegalidades.

Blitz apreende táxis que rodavam sem permissãoA blitz foi montada no km 02 da estrada do Piquiá, no auto posto Peixe Vivo. Durante a operação eram cobrados itens como placa do veículo, faixa lateral, habilitação e documento do veículo de categoria aluguel.

Em apenas algumas horas de ação, foram realizadas 11 autuações e 05 apreensões de veículos que estavam trabalhando sem permissão. Francisco Freire explicou que os veículos apreendidos só serão liberados depois que houver a regularização. O presidente advertiu ainda que as operações irão continuar até que os táxis clandestinos sejam extintos.

Siga-nos no Twitter e no Facebook

Governo federal financiará produtores vítimas das cheias

Governo federal financiará produtores vítimas das cheiasOs ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento Agrário acenaram positivamente para a abertura de uma nova linha de crédito especial de R$ 100 milhões e a renegociação da dívida de mais de 6,5 mil famílias de agricultores de 13 municípios amazonenses que perderam a sua produção agrícola por causa das cheias dos rios Purus, Juruá e Madeira. O prejuízo na região chegou a R$ 167,8 milhões.As dívidas dessas famílias chegam a R$ 44 milhões, principalmente de recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e de uma linha de crédito especial de 2012 do Fundo Constitucional do Norte (FNO) destinada às vítimas das cheias.

“A exemplo do que fizemos em 2012 vamos fazer este ano também”, disse nesta terça (15) o ministro do Desenvolvimento Agrário (MDA), Miguel Rossetto, que recebeu no seu gabinete a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), a secretária interina da Secretaria de Produção Rural do Amazonas (Sepror), Sônia Alfaia, o ex-secretário da Sepror, Eron Bezerra, e o presidente do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (IDAM), Edimar Vizolli.

O ministro disse que as medidas passam pela dilatação do crédito para os que não têm capacidade de pagar e ainda uma nova linha especial. “Nesse momento em que as águas estão baixando, nós trabalhamos para operar e anunciar em curto prazo essas novas linhas”, afirmou Miguel Rossetto.

Ao comemora a liberação de uma nova linha de crédito, a senadora Vanessa Grazziotin lembrou que a liberação em 2012 de R$ 200 milhões para produtores de 55 municípios amazonenses foi histórica. Apesar da carência de dois anos e 40% de desconto, a senadora explicou que milhares de produtores não conseguiram pagar suas dívidas por serem prejudicados novamente pelas cheias.

A secretária Sônia Alfaia destacou que o setor primário do Estado sai aliviado das duas reuniões em Brasília. Disse que com o secretário de política agrícola do Ministério da Fazenda, João Rabelo, ficou o compromisso de que a repactuação da dívida será imediata. “Além disso, a nova linha de financiamento será um alívio para milhares de produtores que perderam, por exemplo, cerca de 20 mil toneladas de banana”, anunciou.

Dos 13 municípios daquela região, Manicoré foi o mais prejudicado com duas mil famílias atingidas e um prejuízo da ordem de R$ 75 milhões. Humaitá vem em seguida com 1.260 famílias prejudicadas e um prejuízo de R$ 28,2 milhões. A produção de banana e macaxeira foram as mais afetadas.

Além de Manicoré e Humaitá, estão na lista dos municípios prejudicados Boca do Acre, Canutama, Lábrea, Pauini, Envira, Ipixuna, Itamarati, Guajará, Apuí, Borba, Novo Aripuanã e Nova Olinda do Norte.

Siga-nos no Twitter e no Facebook

Zeca se defende da acusação veiculada em falsa matéria

Eu sei que eu acabo incomodando muita gente, pois a minha entrada na política foi para quebrar um pouco dessa ‘sujeirada’ toda da política.


Zeca se defende da acusação veiculada em falsa matériaUma matéria supostamente feita pelo Blog da Floresta circulou em Boca do Acre pelos smartphones e pelas redes sociais. O conteúdo do escrito acusa o ex-candidato à Prefeitura de Boca do Acre, José Maria Cruz, popular Zeca, de ter fraudado o Fundo Municipal de Saúde na época de sua gestão como Secretário Municipal de Saúde. A suposta matéria diz que Zeca desviou recursos do Programa Saúde da Família.
 
Segundo a ‘matéria’, a descoberta foi feita pelo Sistema Único de Saúde, através de uma auditoria nas contas da Semsa. Ainda de acordo com o escrito, quem denunciou a situação foi o Ministério Público Federal.

As acusações ao ex-secretário são inúmeras, desde a existência de manobra para que a Secretaria de Saúde continuasse a receber recursos com programas inoperantes até o pagamento de taxistas com notas frias.

No final, o texto diz que em 2012, a Justiça Eleitoral cassou os direitos políticos de Zeca e o deixou inelegível por 8 anos.

Evidência de montagem

A matéria mostra indícios de que pode ter sido forjada (montada). Procuramos a fonte da matéria, que segundo informações seria do Blog da Floresta, já que no escrito não consta o nome do redator e nem a data de publicação. Ao fazer uma pesquisa no Blog da Floresta, constatamos que nenhuma notícia nesse sentido existe nos arquivos do site.
 
Investigamos ainda pelo nome de um outro suposto site que aparece no topo da ‘matéria’, o ‘Amazônia Política’. Ao verificar junto ao site WWW.registro.br, descobrimos que esse nome não faz parte de nenhum domínio, ou seja, não existe site registrado como Amazônia Política.

Zeca falou sobre o episódio e mostrou indignação e disse que vai levar o caso às barras da justiça, como forma de punir exemplarmente os promotores do que ele classificou como tentativa desesperada de tentar manchar a imagem dele. Confira a entrevista

O que você tem a dizer sobre a acusação da falsa matéria acerca da realização de uma dispensa de licitação no valor de meio milhão de reais?

ZECA - Todo recurso que entrou no município referente a enchente não entrou na conta do fundo municipal de saúde. Todos nós sabemos que foi criada a secretaria de defesa civil e esse recurso passou a cair na conta da defesa civil municipal e o quem era o gestor do recurso era a prefeita e o chefe da defesa civil, como está sendo hoje. Como eu podia fraudar licitação se eu não tinha cesso ao recurso?

Sobre a possível irregularidade na aplicação dos recursos financeiros no Programa Saúde da Família, você chegou a ser avisado que estava sendo investigado pelo Ministério Público Federal?

ZECA - Como secretário de Saúde eu entrei no dia 16 de abril de 2010 e fui exonerado no dia 5 de abril de 2012. Meu período de gestão do recurso do Fundo Municipal de Saúde foi a partir do dia 20 de outubro de 2010. Eu respondo por recurso financeiro a partir desse período. Enquanto eu estive à frente da Secretaria de Saúde, eu nunca fui notificado por Ministério Público Federal e nem por Polícia Federal. Não estou respondendo processo administrativo por desvio de verba, por criação de equipe fantasma.

O SUS identificou essas irregularidades, segundo a falsa matéria. Enquanto você estava na gestão, o SUS mandou alguma vez, equipes de investigação?

ZECA - Em primeiro lugar o SUS investiga todas as secretarias através do seu banco de dados. Nós temos hoje o Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde, o CNES, e outros programas que controlam o repasse de recurso. O município só recebe o recurso quando as informações são coerentes. Nunca fui auditado pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS, que é o órgão fiscalizador do SUS, que realiza esse processo.

Uma das faltas de coerência dessa matéria é que houve um processo inverso. Segundo a falsa matéria, houve uma denúncia do Ministério Público Federal ao SUS, e o SUS por sua vez foi fiscalizar. Se eles tivessem pelo menos tido o cuidado de pesquisar, iriam ver que a ordem correta é primeiro o Tribunal de Contas do Estado averiguar se houve indício de irregularidade, segundo, a Controladoria Geral da União denuncia para o DENASUS e, este por sua vez, ia fazer uma auditoria e, se detectasse irregularidades, ia acionar o MPF e a Polícia Federal.

Nos meus 17 anos trabalhando na Secretaria de Saúde, nunca houve uma auditoria do DENASUS em Boca do Acre.

A matéria falsa denuncia que existia uma equipe de saúde fantasma. Essa informação tem algum fundo de verdade?

ZECA - Na minha gestão não. Quando eu assumi eu tive uma preocupação de organizar a questão de funcionário. E hoje é impossível eu usar o CRM ou o CRO de um profissional para vim o recurso regularmente. No momento que cadastra um médico ou um dentista, começa a contar a carga horária dele e essa carga horária não pode ultrapassar 60 horas e, através desse programa de cadastramento dos profissionais, o Ministério da Saúde sabe onde está atuando cada profissional.

O que eu vejo é que houve uma má fé com relação ao meu nome. As pessoas torcem muito para que eu seja tudo isso que foi publicado, não só adversário, como pessoas as vezes muito próximas, torcem que eu seja realmente um corrupto como foi mostrado, mas infelizmente não conseguem provar nada. Isso mostra que é mais uma armação, eu sei que eu acabo incomodando muita gente, pois a minha entrada na política foi para quebrar um pouco dessa ‘sujeirada’ toda da política.

Só digo uma coisa, minhas armas são outras, enquanto essas pessoas usam esse tipo de mecanismo para tentar me desestabilizar, pra tentar jogar a opinião pública contra mim, eu não vou responder a altura, não vou responder jamais dessa forma, vou usar sempre o bom senso.

Tenho minha consciência tranquila, os órgãos estão aí para mostrar isso, o sistema de informação durante meu período está aí para ser puxado também, para dar esse tipo de informação, minhas referências estão em Manaus, na Secretaria Estadual de Saúde. A população deve procurar saber, esclarecer a minha conduta. Não tenho medo, não tenho rabo preso com ninguém.

Seu tivesse rabo preso, será que essas informações não teriam aparecido na campanha eleitoral de 2012? Porque só agora essas informações vêm completamente infundadas. Eu incomodo muita gente e vou incomodar muito mais ainda.

Você já foi condenado a devolver alguma importância financeira aos cofres públicos?

ZECA - Nunca fui notificado. Devolver para que área da saúde? Pelas informações que eu tenho hoje, nunca tive nenhum problema com relação a isso. Como existe uma condenação sem ampla defesa, se eu não tive oportunidade de me defender? To sendo acusado a devolver um recurso que nunca fui notificado nem para constituir um advogado para responder por mim. Isso mostra que é muito mais uma armação, de pessoas que têm um conhecimento na Saúde, que tiveram uma passagem lá pela Secretaria de Saúde, que na verdade torcem muito para que eu fosse tudo isso aí. É uma decepção para eles e não adianta procurar porque não vai achar nada contra mim.
 
A Secretaria de Saúde pagava taxista com nota fria na sua gestão?
 
ZECA - Isso é muito fácil de comprovar. Agente tinha um trabalho de encaminhamento para tratamento fora de domicílio, que o estado não dava condições para isso. O município não tem condições de pagar um atendimento de alta complexidade, nós trabalhamos com a demanda de pessoas que vão para Rio Branco para tratamento de hepatite, tratamento de câncer e outras doenças. Pelo motivo de a secretaria não dispor de ajuda nenhuma do estado, acabou tentando amenizar essa situação disponibilizando passagem, que eram expedidas por um setor, que era o setor de TFD, controlado por uma coordenação com uma assistente social que funcionava dentro da secretaria, que era responsável para fazer todo o processo de ajuda de custo e de passagem para essas pessoas que não tinham condições de viajar, e esse pagamento era realizado mediante esses relatórios. Nunca foi realizado um pagamento de taxista com nota fria, estão os taxistas aí na rodoviária para quem quiser comprovar. Hoje eu tenho as notas fiscais, cópias dos cheques, e puxo um extrato bancário com data retroativa de cada um desses taxistas que trabalharam para a Secretaria de Saúde e vai constar os depósitos para o Fundo Municipal de Saúde.
 
No seu facebook você acusou o grupo do prefeito Iran de tentar desestabilizá-lo.
 
ZECA - Eu conheço bem esse grupo. Existe uma parcela muito pequena de pessoas que na verdade tem esse tipo de comportamento e vêm provando isso durante anos e anos. Pessoas que são pagas pelo dinheiro da Prefeitura e aproveitam o cargo que assumem para fazer montagem, para criar coisas que não têm fundamento nenhum, para desmoralizar as pessoas.
 
Quem mais responde processo na Justiça em Boca do Acre? É o atual prefeito. Vocês viram em 2012, algum papel na rua soltando que o prefeito estava isso ou aquilo? Sabe por quê nunca aconteceu isso? Porque eu era o candidato do 22, e eu nunca deixei que usassem disso em benefício próprio, para denegrir a imagem de alguém, não precisava, a população tem que fazer seu pré-julgamento, todos nós sabemos quem é quem em Boca do Acre. Sabemos quem são os corruptos, sabemos quem são as pessoas de bem, então sabemos disso. Tem um histórico de pessoas em Boca do Acre que se profissionalizaram em fazer esse tipo de coisa. Fico triste porque isso não trás contribuição positiva nenhuma para o município. É uma criatividade até fora do normal, mas poderia pegar esse tempo todo e tentar resolver alguns problemas na Saúde, na Educação, e nas demais áreas, mas perde tempo focando numa politicagem barata, numa coisa que não leva a lugar nenhum. Enquanto a população aceitar esse tipo de coisa, nós não vamos sair no buraco nunca.
 
Você teria pagado para tirar alguma informação que denegrisse sua imagem do Blog da Floresta?
 
ZECA - Essa informação não existe. Em primeiro lugar, que poder eu tenho hoje? Sou um cidadão comum, um cidadão que pediu afastamento da Prefeitura sem remuneração. Que dinheiro eu tenho para comprar um Blog da Floresta, um site de expressão no Amazonas, sério, que coloca suas matérias dentro de uma ética, de uma responsabilidade. Dinheiro de onde? Se eu tivesse feito isso, amanhã ou depois eu ia ser penalizado da mesma forma.
 
Quando as pessoas publicam isso, é um sinal de desespero. Eu sei que as pessoas têm que justificar seus salários, mas tem que justificar de outra forma, faça algo bom para o município.
 
Que medidas estão sendo tomadas judicialmente?
 
ZECA - Todas. Não vou deixar barato isso. Não posso deixar que esse tipo de coisa aconteça, porque senão isso vai se tornar praxe, todo mundo vai ser atingido com esse tipo de coisa. Estou tomando as medidas legais perante a justiça. O autor da falsa matéria vai aparecer. Já constitui advogado e espero que os culpados sejam punidos nos rigores da lei.
 
Já fiz um contato com Manaus, com deputados que estão indo junto ao Blog da Floresta, que por sua vez vai responsabilizar as pessoas por terem usado partes do site para colocar esse tipo de informação fraudulenta.


LEIA TAMBÉM



Siga-nos no Twitter e no Facebook

O caos em Boca do Acre. Nova comissão é formada. O destino agora é Brasília

Nova comissão vai à Brasília expor os problemas que estão dificultando principalmente a vida dos comerciantes do município, que atravessam uma das piores do setor.


O caos em Boca do Acre. Nova comissão é formada. O destino agora é BrasíliaDepois da primeira reunião realizada na Câmara Municipal de Boca do Acre com os comerciantes da cidade, o vereador Adautivo da Silva articulou um novo encontro entre o prefeito, vereadores e classe empresarial que foi realizado na última terça-feira (15).

O caos em Boca do Acre. Nova comissão é formada. O destino agora é BrasíliaO local foi mais uma vez a Câmara de Vereadores, só que desta vez o palco foi o plenário Francisco Leite. Na reunião estiveram presentes empresários do setor terciário, que estavam representados pelo presidente da Associação de Comerciantes e Empresário de Boca do Acre, Remilson Machado, além de vereadores, do prefeito Iran Lima e doo gerente do Banco da Amazônia em Boca do Acre, Rodrigo França.

A reunião serviu também para que fossem expostas as ações que estão sendo tomadas em favor do setor de comércios em Boca do Acre, que notadamente é o mais prejudicado com a crise que se abateu no município por conta da cheia dos rios Acre, Purus e Madeira. Ao final da reunião, uma nova comissão foi formada, composta pelo prefeito, vereadores e comerciantes, que tem o objetivo de ir à capital federal e colocar os problemas do municípios para o Ministério da Integração Nacional e também para deputados e senadores que representam o Amazonas a nível federal.

Desvio de foco

A reunião sofreu um desvio de foco acentuado. O ponto negativo foi a discussão nada produtiva entre o prefeito de Boca do Acre e o vereador Roberto da Caçamba, que se agrediram verbalmente quando tiveram oportunidade de falar ao público presente. Ao final do encontro, Roberto da Caçamba chamou Iran Lima de pedófilo.

Adautivo avalia a reunião de forma positiva

Adautivo diz entender que a reunião foi produtiva, embora, segundo ele, tenha saído um pouco do foco em um determinado momento. “Mas, é importante destacar que a classe dos comerciantes foi convocada e compareceu em peso para discutir um assunto que é interesse de todos, pois o que está em jogo são centenas de empregos que são gerados pelos comerciantes”, discorreu Adautivo.

“Temos que fortalecer o setor. Por isso tive a preocupação de articular a ida do senhor prefeito e do gerente do Basa, senhor Rodrigo França à Câmara, para prestar esclarecimentos. O momento é de convergirmos pontualmente em prol de uma classe que gera centenas de empregos em Boca do Acre”, reiterou.


LEIA TAMBÉM



Siga-nos no Twitter e no Facebook

Empresário garante que crise de combustível em Boca do Acre está “debelada”

O auto posto Peixe Vivo não teme mais o desabastecimento de gasolina e diesel em Boca do Acre.


Empresário garante que crise de combustível em Boca do Acre está “debelada”O proprietário do auto posto Peixe Vivo garantiu à redação do Portal do Purus de que Boca do Acre não conviverá mais com a crise de combustíveis que assolou o município nas últimas semanas.

Tenisson Onofre afiançou abastecer Boca do Acre mesmo que a situação de tráfego na BR-364, por conta da cheia do Rio Madeira, ainda não tenha se normalizado.

No último domingo (13), Tenisson informou que tinha nos tanques do Peixe Vivo a quantia de 35 mil litros de gasolina. Onofre falou ainda que o posto está abastecido de diesel e que na próxima semana uma balsa da Shell irá aportar em Boca do Acre trazendo mais gasolina, diesel comum e o diesel S10.

O auto posto Peixe Vivo se notabilizou durante a crise por uma impecável organização na distribuição de combustíveis. Ao contrário de outros postos como Ozival I e Atem, onde bagunça foi generalizada, deixando bem evidente a falta de respeito com o cliente. Para esses dois estabelecimentos, o importante não era tratar bem o consumidor, mas sim, vender o combustível de qualquer forma.


LEIA TAMBÉM



Siga-nos no Twitter e no Facebook

Desenvolvido por ABCMIX - Joomla Site Designer - 2012