Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *

Boca do Acre

Atualidades

Nasa descobre sistema solar com 7 planetas parecidos com a Terra

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A Nasa anunciou hoje que encontrou um sistema solar com planetas similares à Terra. Sete exoplanetas foram descobertos orbitando uma estrela próxima, a cerca de 39 anos-luz de distância. Desses, três estão na zona habitável, onde é possível ter água líquida e, consequentemente, vida.

Os planetas orbitam uma estrela anã chamada Trappist-1, que é similar ao Sol e um pouco maior do que Júpiter. Segundo a agência espacial, os astros têm massas semelhantes à da Terra e são de composição rochosa. A expectativa da Nasa é que ao menos um dos planetas tenha temperatura ideal para a presença de oceanos de água em forma líquida, assim como acontece na Terra.

Curta nossa página no Facebook

Presidente da Funai diz que é preciso ensinar índio a pescar

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Antonio Fernandes Toninho Costa, afirmou que pretende acabar com o papel “assistencialista” da instituição, “produzir sustentabilidade” e incluir medidas para geração de renda nas aldeias como, por exemplo, a inclusão de pesca esportiva. As declarações foram feitas em entrevista ao jornal Valor Econômico, no dia 13 deste mês.

Costa, que também é dentista e pastor evangélico, afirmou que “o momento da Funai assistencialista não cabe mais, temos que produzir sustentabilidade, ensinar a pescar”. Segundo ele “o objetivo do nosso plano de ação é eles produzirem. O governo não tem mais condição de ser tutor”.

Sobre geração de renda nas comunidades afirmou que “temos que dar, nas áreas viáveis, condições de produção, de ecoturismo, ter pesca esportiva na Amazônia. Já há projeto-piloto nesse sentido”. Questionado sobre a descaracterização das culturas afirmou que “muitos europeus e outros poderiam visitar aldeias e ajudar a preservar a cultura”.

O novo presidente ocupa o cargo desde 12 de janeiro, quando foi indicado ao cargo pelo Partido Social Cristão (PSC) e recebeu o desafio de gerir uma instituição com apenas 2.600 funcionários e um orçamento reduzido à metade.

Possui formação em saúde indígena pela Unifesp, vigilância sanitária pela Fiocruz e atuou em trabalho de campo no Mato Grosso do Sul, Maranhão e Amazonas. No entanto, nos últimos anos Costa trabalhava assessorando comissões do Filho de Edison Lobão, Márcio Lobão, alvo da Operação Leviatã que investiga irregularidades nas construção da hidrelétrica de Belo Monte.

Durante a entrevista o presidente da Funai também reforçou que pretende construir um diálogo com o Congresso Nacional, populações indígenas e servidores do órgão e que irá trabalhar para buscar a paz no campo. Questionado sobre como fortaleceria o órgão, afirmou que buscando diálogos.

Esses diálogos, ao que tudo indica, já tiveram inicio. Costa recebeu os deputados Luis Carlos Heinze (PP-RS) e Valdir Colatto (PMDB-SC), lideranças da bancada ruralista para conversas. Ele afirmou que como presidente da Funai precisa atender a todos. “Quero fazer com que haja harmonia no segmento ruralista e indígena”, afirmou ao jornal.

Sobre a proposta que pretende alterar o marco temporal para demarcação de terras indígenas, defendido pela bancada ruralista, Costa afirmou que “a legislação não foi modificada, temos que seguir o que a Constituição determina”, mas que “há um momento em que precisamos abrir o debate para fatos novos. O país cresceu, as populações indígenas cresceram, as situações modificaram. O momento requer uma discussão”.

Também afirmou que a portaria que cria um grupo de trabalho dentro do Ministério da Justiça para avaliar a demarcação de novas Terras Indígenas não tira poderes do órgão. “Não vejo a portaria como uma afronta. Pelo contrário, é uma oportunidade de a Funai participar e mostrar como é possível enfrentar esse grave problema.”. Sobre a PEC 215 voltou a afirmar que é necessário fortalecer o diálogo.

Quando questionado sobre a possibilidade de novas demarcações afirmou que há 13 processos prontos, fora de áreas de conflitos, mas que não gostaria de citar para não criar expectativas.

Curta nossa página no Facebook

Deputado Adjuto Afonso, presidente da Unale, comanda sugestões para Reformas do governo federal

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Em sua primeira reunião oficial como presidente da União Nacional dos Legisladores e legislativos Estaduais (Unale), o deputado estadual Adjuto Afonso (PDT-AM), definiu com parlamentares das comissões especiais de reforma previdenciária e reforma política da entidade, que agendarão pautas com a Presidência da República e a Câmara Federal, para apresentar sugestões acerca das Reformas que estão em discussão em nível nacional.

"Vamos fortalecer ainda mais a atuação e presença dos deputados estaduais junto ao governo federal, vamos participar mais de perto das discussões e decisões sobre as reformas que afetam diretamente a população. Somos 1.059 deputados em todo o país, representamos a maioria, e vivemos bem de perto a realidade de cada região. Hoje reunimos mais de 30 parlamentares em nossa IV Reunião da Diretoria Executiva da Unale, aqui em São Paulo", disse o presidente.

A IV Reunião da Diretoria Executiva da Unale está sendo realizada na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP). Ontem, 16, os deputados membros das comissões reuniram para definir o plano de trabalho sobre as reformas da presidência. No dia de hoje, 17, a diretoria executiva definiu os trâmites a serem adotados sobre o tema.

Ainda na reunião, o presidente da entidade, deputado Adjuto Afonso, discutiu com os parlamentares presentes a realização da 21ª Conferência Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (CNLE), que acontecerá no mês de junho, em Foz do Iguaçu, no Paraná.

Dentre os temas que serão debatidos no evento, estão: crise econômica dos estados; sistema carcerário e crise penitenciária; reforma da previdência e trabalhista; e, autonomia do poder legislativo brasileiro.

Curta nossa página no Facebook

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015