Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *

Boca do Acre

Atualidades

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Em pronunciamento na manhã desta quarta-feira, 5, o deputado Adjuto Afonso (PDT) questionou a desativação do Aeroporto "Eduardinho", que deve acontecer até o dia 1 de agosto de 2017, conforme informação de permissionários das empresas aereas que operam no terminal. O parlamentar vai entrar com requerimento na Mesa Diretora solicitando em caráter de urgência a presença de representantes da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), para explicar tal decisão, e os deputados tentarem reverter a situação.

"Fui informado que a Infraero quer fechar o terminal Eduardinho, já comunicou, inclusive, aos permissionários, alegando que este terminal dá prejuízo. Imagine que esse terminal foi recém-construído com muito dinheiro público gasto, e hoje a Infraero descobre que dá prejuízo? Já houve a comunicação às empresas de táxi aereo, que dentro de um breve espaço de tempo esse terminal será desativado. Esta Casa tem que urgentemente propor uma audiência pública ou uma reunião com a Infraero e mostrar o prejuízo que o fechamento desse terminal irá causar, principalmente à população do interior do Estado", ressaltou Adjuto Afonso.

O parlamentar informou que estará apresentando um requerimento à Mesa Diretora solicitando a presença de representantes da Infraero, e conclamou os colegas deputados a acionarem a bancada do Amazonas no Congresso Nacional. "Já estou de posse do comunicado de uma das empresas aereas e conclamo a esta Casa, seja através de audiência pública, seja através de manifestação às nossas bancadas no Congresso Nacional, nossos senadores, para que não deixem isso acontecer, que nós entendemos que é muito ruim para a economia de nosso Estado".

Adjuto Afonso já conta com o apoio do deputado Wanderley Dallas (PMDB), presidente da Comissão de Transporte, e do deputado Francisco Souza (Podemos), que estão solidários à situação que prejudica não somente as empresas aereas, mas a população do interior que não tem muitas alternativas de deslocamento. "Quero dizer da nossa preocupação, que esta Casa tem por obrigação fazer com que urgentemente a Infraero venha até aqui esclarecer o porquê de estarem pensando em fechar esse terminal. O Ministério Público deve ser acionado para que também participe dessa reunião através da Comissão de Transporte", disse Adjuto.

De acordo com o comunicado em posse na mãos de Adjuto Afonso, o motivo da desativação seria por questões econômicas. "Eu não admito que a Infraero só pense em lucro. Se tem lucro no grande terminal de passageiros, no Eduardo Gomes, isso tem cobrir, o que não pode é a população do interior não ter uma opção de transporte. Nós somos um Estado diferente e queremos incentivar a aviação regional, mas como é que vamos incentivar se não temos um aeroporto para essas empresas regionais?", questionou o deputado Adjuto Afonso.

O parlamentar sugere que a reunião com a Infraero seja nos próximos dias, antes do recesso na Casa Legislativa.

Curta nossa página no Facebook

 

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Ação faz parte da política de Segurança Pública do Governo para coibir a ocorrência de crimes


Na quinta-feira (29), a Polícia Militar e a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) anunciaram o reforço no policiamento em Manaus com a entrega de motocicletas, a chegada de novas viaturas e dois helicópteros, além de armamento para atuação das forças de segurança no interior do Estado. As medidas foram divulgadas durante a entrega de 60 motos reformadas no Centro da capital.
 
A ação faz parte da política de Segurança Pública do Governo para coibir a ocorrência de crimes.  De acordo com o comandante geral da PM, coronel David Brandão, haverá reforço do policiamento na zona Leste e no Centro de Manaus. Parte das motos também foi enviada para a polícia utilizar no 52º Festival Folclórico 0de Parintins. “Estamos entregando essas motos que foram totalmente revitalizadas. Para operação Parintins, enviamos 20 motos que estão ajudando no patrulhamento ostensivo e a partir desta quinta-feira, as outras 40 motocicletas que estão aqui irão reforçar o policiamento na área central e na zona Leste principalmente nesse primeiro momento”, disse.

Além das motos, o secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, adiantou que helicópteros, viaturas e armamentos deverão ser entregues na semana que vem. “A moto é uma ferramenta ágil para o combate à criminalidade. Além disso, vamos entregar na semana que vem dois helicópteros. Também estamos finalizando o empréstimo de fuzis do exército para que possamos aparelhar os pelotões especiais que atuam na área rural e nos rios. Vamos entregar mais de 50 viaturas”, ressaltou Fontes.
 
Operações e prisões

O reforço nas ações, dos órgãos de segurança em Manaus e no interior, garante prisões e apreensões. Em junho, a operação Cidade Segura da Polícia Civil prendeu 93 pessoas que estavam em situação irregular com a justiça. Dentre os crimes aos que respondem ou que comprovadamente cometeram: tráfico de drogas, roubo, estupro, homicídio e estelionato. Para essa operação, a corporação contou com efetivo de 175 policiais militares em 68 viaturas.
 
Para as ações de segurança que ocorrerão no Festival Folclórico de Parintins, que começa nesta sexta-feira (30), a SSP-AM contou com o efetivo de mais de mil servidores. Somente dos órgãos de Segurança, são 700, que atuarão no policiamento ostensivo, fiscalização em locais de grande concentração de pessoas, como porto, aeroporto, adjacências do Bumbódromo, Avenida Amazonas e a orla do município. Os servidores farão o monitoramento por meio de câmeras e drones e serão distribuídos em pontos que facilitem a pronta-resposta a ocorrências.

Curta nossa página no Facebook

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O senador Jorge Viana (PT-AC), relator da política pública de expansão da banda larga, definida pela Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado para ser avaliada ao longo de 2017, defendeu nesta terça-feira, durante audiência da CCCT, a ampliação da cobertura de 3G, lamentando que apenas 10% dos municípios brasileiros têm banda larga. “Queremos saber o que precisa ser feito”, questionou. “A telefonia móvel e internet no Acre não é universalizada, custa caro e não tem qualidade”.

Ao lado do deputado federal Raimundo Angelim (PT-AC), Viana ouviu do representante da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Igor de Freitas, que a falta de recursos para universalizar o serviço de banda larga no país levou à redefinição de critérios e de prioridades. “A Anatel tem procurado orientar o uso eficiente e efetivo dos recursos”, disse. “Quando a gente tem recursos escassos, precisa olhar de forma objetiva e definir critérios que possam orientar investimentos para atender o menor IDH, menor renda e mais gente possível”.

Até o fim do ano, Viana deve apresentar relatório com propostas para a melhora da legislação do setor. Além do conselheiro da Anatel, participaram o diretor do Departamento de Banda Larga do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Artur Coimbra, o diretor da Cisco Systems no Brasil, Giuseppe Marrara; o advogado e pesquisador do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Rafael Zanatta; e o secretário de Educação da Bahia, Walter Pinheiro.

Walter Pinheiro, senador afastado para ocupar o cargo de secretário de Educação da Bahia, afirmou que o país tem infraestrutura para levar banda larga a todos os recantos. O que falta, na visão dele, é regulamentação e implantação das políticas públicas. “As empresas só botam banda larga no lugar onde elas têm retorno. Isso é natural. Então, portanto, cabe ao Estado criar as regras e as condições para impor inclusive esse nível de condição. Que o Estado cumpra o seu papel regulador e não queira substituir as empresas”, disse.

Curta nossa página no Facebook

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015