Colunas

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

felizDeus! ó Deus! onde estás que não respondes? / Em que mundo, em qu'estrela tu t'escondes / Embuçado nos céus? / Há dois mil anos te mandei meu grito, / Que embalde desde então corre o infinito.../ Onde estás, Senhor Deus?...
(Castro Alves,”Vozes d'África”)

É, nossos legisladores conseguiram finalmente o que queriam: transformaram o produtor brasileiro em criminoso.

Esta semana recebi em minha casa a visita de um casal de agricultores.  Já com idade avançada, para o trabalho no campo, a mulher, uma velha agricultora,  contou-me, com a voz embargada e lágrimas de dor, que recebeu a visita de um Oficial de Justiça, nesta semana, dando-lhe o prazo de cinco dias para pagar uma dívida de 108 mil reais ou nomear bens a penhora no valor da divida. A decisão judicial tinha como base um auto de infração lavrado por servidores do Ibama, por desmate de 40 hectares de floresta nativa sem autorização do órgão ambiental competente.

Moradora do KM 90, a agricultora e seu marido mostravam inquietação e desespero com o valor da multa e a possibilidade de perderem seus bens: “Doutor, nós viemos da Bahia há muitos anos. Sempre trabalhamos com a roça. Chegando aqui, fomos trabalhar nas terras do Sr. Sérgio Brasileiro, que nos ajudou a adquirir a nossa terra, onde trabalhamos desde o ano de 1990. Nela trabalhamos, tirando nosso sustento, e criamos nossos filhos. Não sabemos ler, nunca estudamos em escola, toda nossa vida foi dedicada ao trabalho do campo. Pra onde eu vou, meu Deus, se me tirarem a única coisa que temos, que é nossa terra e nossa produção”.

“Doutor, ela não conseguiu dormir, na noite passada, o tempo todo preocupada com a possibilidade de perder nossos bens”, disse-me o marido, que, embora demonstrando preocupação, parecia estar mais tranqüilo.

Procurei tranqüilizá-los dizendo que faria os embargos à execução e falando do projeto do Deputado Aldo Rebelo, que propõe anistia das multas ambientais até o limite de 4 módulos rurais. Falei-lhes da viagem que faremos a Brasília, eu e uma pequena caravana de produtores de Boca do Acre, em apoio à aprovação do Relatório Aldo Rebelo.

Naturalmente não lhe falei  do processo judicial que certamente já foi instaurado para que ele responda por cometimento de crime ambiental. A notícia de que, além de estar na iminência de perder seus bens, tornar-se réu, em processo criminal seria devastadora moralmente...

Recebi recentemente um e-mail de um companheiro do PT, a quem solicitei notícias sobre a posição do Partido a respeito. “Produtor preso, não; perdão das dívidas, também não”. Essa, segundo informou-me, é a posição do PT e da Presidente Dilma. Isso poderá consolar nosso pobre produtor: ficará reduzido à miséria, mas, pelo menos,  não será preso. Com a idade avançada que possui, perderá sua terra e suas benfeitorias, não terá onde se abrigar nem como alimentar a si, a sua esposa e filhos, mas não será preso. Irá para a periferia das cidades, onde viverá miseravelmente, ainda agricultor, analfabeto e velho. Mas não será preso... Poderá, ainda – e provavelmente oPTará por isso, com sua vocação para o campo – compor novos grupos de sem-terras, promovendo ocupações de terras improdutivas (e, às vezes, produtivas), para reservar para si e sua família o sacrossanto direito de herdar a terra, que, afinal, foi reservada, por Cristo, aos mansos e humildes.

Não data de hoje a perseguição contra os produtores. Suas súplicas são dirigidas a Deus, como a dos escravos, há muitos anos (“Há dois mil anos eu soluço um grito.. /escuta o brado meu lá no infinito, /Meu Deus!  Senhor, meu Deus!!...”). E Deus tem-nos ouvido, pois, ao contrário do que diz o Caetano, Ele não “é um cara Gozador e adora brincadeiras”. A evolução dos escravos para servos da gleba e destes para produtores livres, demonstra isso.

Ele há de escutar o brado dos produtores do Brasil.

POR FRANCISCO FÉLIX

ESTE ARTIGO É DE TOTAL RESPONSABILIDADE DE SEU IDEALIZADOR E NÃO REFLETE NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO PORTAL DO PURUS

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Agostinho AlvesOs vereadores de oposição, que foram eleitos pelo povo e para o povo é que deveriam trabalhar, estão mais preocupados com o partido, com o próprio ego e em fazer o possível para que tudo dê errado em Boca do Acre. É a famosa torcida do ‘quanto pior, melhor’. Outra coisa não, mas isso eles sabem fazer com precisão e muita irresponsabilidade.

Prova disso, é que na hora em que a prefeita Dorinha conclamou-os à viajar para Manaus, em busca de melhorias para Boca do Acre, a negação dos oposicionistas foi precisa e rápida. Entretanto, na hora de subir à tribuna, criticar, esbravejar, eles são ótimos, e sabem muito bem fazer a sociedade acreditar que eles estão preocupados com a coletividade, mas o que lhes interessa mesmo é que a desgraça tome conta da cidade, que tudo dê errado, pois os erros do governo atual serve como plataforma política para esses parlamentares.

Era na hora de ajuda Boca do Acre que esses legisladores deveriam se mostrar bravios, lutadores, pois foram eleitos para cuidar da coletividade e não de seu ego, de sua plataforma política.

O vereador Louro da Vivi (PMDB) é um exemplo claro do que está sendo falado. O edil anunciou seu desligamento da comissão que viajou à Manaus, justificando fidelidade ao partido e à posição que ocupa na Câmara Municipal, que é de ser oposição e por isso jamais iria estar ao lado da Prefeita, mesmo que fosse para angariar benefícios para Boca do Acre.

NA HORA DE CRITICAR É MUITO FÁCIL, MAS NO MOMENTO DE AJUDAR TODO MUNDO CAI FORA

Em várias oportunidades, esses vereadores, que se recusaram a ir para Manaus na companhia da Prefeita, em busca de melhorias para Boca do Acre, esbravejavam na tribuna da Câmara Municipal de Boca do Acre, apontando erros, falhas e se mostrando os salvadores da pátria. Porém, quando mais se precisou da garra desses homens, eleitos pelo povo, os mesmos se esconderam, se esquivaram, recusaram a agir em favor da população. Parece que a oposição é feita ao povo de Boca do Acre e não ao governo Dorinha, pois é inconcebível que uma situação dessa aconteça, que interesses individuais, políticos e partidários estejam à frente do interesse público.

É bom que a população veja bem que tipos de políticos são eleitos para ocupar cargos importantes e que não fazem por onde merecer a confiança que o povo deposita. As eleições democráticas existem para que os que são elevados aos cargos lutem pelo povo e não pelo próprio bolso, lutem por melhorias, que façam oposição responsável, visando sempre o melhor para o município e não tenham como foco os interesses tão somente individuais ou partidários, que destoam do interesse da coletividade.

Vereadores desse gabarito nunca mais deveriam pisar na política. Foram eleitos com a promessa de lutar pelo povo e acabam lutando por sua própria imagem, pelo próprio bolso, por vantagens individuais.

Aproveito a oportunidade para parabenizar os vereadores Ecivaldo Nascimento, Marineide Fernandes, Jardemir Barbosa, Chiquinho do Sindicato e Domingos Munhoz, por não comungarem desse pensamento mesquinho, pequeno, impróprio para um homem público.

POR AGOSTINHO ALVES

Este artigo é de total responsabilidade de seu idealizador e não reflete necessariamente a opinião do Portal do Purus

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

boca do acre colunista félixCadê as bananas de Boca do Acre? Alguém viu? Ontem rodei todo o Platô do Piquiá em busca desse fruto que o espantado Pero de Magalhães Gandavo, em 1576, dizia, na sua “História da Provincia de Santa Cruz”, possuir até “cento e cinquenta bananas para cima”,  em cada cacho. Depois de muito procurar, encontrei um cacho mirradinho de bananas,  magrinhas, enroladinhas... carinhas: “cinco real”, como expressou o vendedor na língua de Camões.

Enquanto procurava bananas, encontrei... igrejas. Muitas igrejas. A maioria, como seção de outras igrejas já existentes. Outras, inteiramente Bocacrenses,”made in” Boca do Acre. Há ruas com mais de três igrejas. Vi uma com uma igreja em frente d’outra...

Abrir uma Igreja hoje é como comprar alguns cachos de bananas magrinhas. Quase nada. O jornalista Claudio Angelo, editor de Ciência da Folha, criou uma igreja em dois dias. O nome? “Igreja Heliocêntrica do Sagrado Evangelho” . (Ninguém questionou o nome)

Segundo o jornalista “com o registro da Igreja Heliocêntrica do Sagrado Evangélio e seu CNPJ, pudemos abrir uma conta bancária na qual realizamos aplicações financeiras isentas de IR e IOF. Mas esses não são os únicos benefícios fiscais da empreitada. Nos termos do artigo 150 da Constituição, templos de qualquer culto são imunes a todos os impostos que incidam sobre o patrimônio, a renda ou os serviços relacionados com suas finalidades essenciais, as quais são definidas pelos próprios criadores. Ou seja, se levássemos a coisa adiante, poderíamos nos livrar de IPVA, IPTU, ISS, ITR e vários outros "Is" de bens colocados em nome da igreja.


Há também vantagens extratributárias. Os templos são livres para se organizarem como bem entenderem, o que inclui escolher seus sacerdotes. Uma vez ungidos, eles adquirem privilégios como a isenção do serviço militar obrigatório (já sagrei meus filhos Ian e David ministros religiosos) e direito a prisão especial. “

O que mais estranha são os nomes estapafúrdios de algumas igrejas. Vou listar apenas alguns, dos publicados pelo jornalista no artigo “Vou abrir minha igreja e já volto!!! O primeiro milagre do heliocentrismo”:

- Igreja Evangélica de Abominação à Vida Torta;

- Congregação Passo para o Futuro (Será que foi o Alcimar que criou essa?)

- Igreja Evangélica Pentecostal a Última Embarcação Para Cristo

- Igreja Automotiva do Fogo Sagrado (aberta por alguns empregados de revendedora de veículos?)

- Cruzada Evangélica do Pastor Waldevino Coelho, a Sumidade  (que humildade evangélica!)

- Igreja Evangélica do Pastor Paulo Andrade, O Homem que Vive sem Pecados (Esse disputa humildade com o Pastor Waldevino)

- Igreja A de Amor

- Igreja do Amor Maior que Outra Força

- Igreja Dekanthalabassi (quem língua é essa?)

- Igreja Pentecostal do Pastor Sassá

- Igreja Evangélica Florzinha de Jesus (hummm...)

- Assembléia de Deus Batista A Cobrinha de Moisés (hummm...)

- Igreja Evangélica Adão é o Homem

- Igreja Evangélica Batista Barranco Sagrado

- Igreja Pentecostal Jesus Vem, Você Fica

- Igreja Evangélica Pentecostal Cuspe de Cristo

- Igreja Evangélica Luz no Escuro (fundada no “Canto Escuro”?)

- Igreja Evangélica O Senhor Vem no Fim

- Igreja Evangélica Muçulmana Javé é Pai

- Igreja Abre-te-Sésamo (essa já nasceu com seu Ali Babá)

-  Igreja Bailarinas da Valsa Divina (é o clube da Luluzinha ou o homens podem participar?)

- Igreja Evangélica Batalha dos Deuses


- Igreja Pentecostal Marilyn Monroe (essa deverá atrair muitos fiéis)

- Igreja Quadrangular O Mundo É Redondo

- Igreja Pentecostal Alarido de Deus (Anápolis –GO)

- Igreja de Deus que se Reúne nas Casas (Itaúna -MG)
Ah, tem mais uma que opera o milagre de misturar Maomé com Cristo, pegando de tabela o judaísmo de javé: a “Igreja Evangélica Muçulmana Javé é Pai”

Com todo o respeito que merecem as igrejas fundadas em sólidas bases doutrinárias, está provado que, no Brasil,  fica provado que é mais barato abrir uma igreja do que comprar banana em Boca do Acre...



Este artigo é de total responsabilidade de seu idealizador e não reflete necessariamente a opinião do Portal do Purus

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015