Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *

Colunas

DVD gravado em Manaus concorre em categoria de melhor álbum no Grammy

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A cantora Marília Mendonça concorre na categoria “Melhor Álbum de Música Sertaneja”, juntamente com outros artistas brasileiros, como Luan Santana e Simone & Simaria

O segundo DVD da cantora Marília Mendonça - “Realidade ao vivo em Manaus”, gravado na capital amazonense no dia 8 de outubro de 2016, está concorrendo ao Melhor Álbum de Música Sertaneja na 18ª edição do Grammy Latino. A lista dos indicados foi anunciada nesta terça-feira (26), pela Academia Latina. A cerimônia acontece no dia 16 de novembro em Las Vegas, no Estados Unidos, com a entrega dos prêmios aos vencedores.

O repertório da produção reúne 18 faixas: Amante não tem lar, Eu sei de cor, De quem é a culpa?, Traição não tem perdão e Infiel. Outros destaques são Mudou a estação, com participação da dupla Henrique & Juliano, e Saudade do meu ex. A cantora brasileira concorre na categoria juntamente com as produções de Luan Santana – 1997; Simone & Simaria – Live; Daniel – Daniel, e a produção (...), de Day & Lara.

Outros artistas brasileiros também foram indicados a categorias. Entre eles estão: Ludmilla, Tiago Iorc, Anavitória, Nando Reis, Silva, JAMZ, Luciana Mello, entre outros.

Na categoria Música do ano“”, sucessos como “Despacito”, “Chantaje”, “Felices Los 4” e “Ella”, disputam a preferência.

O Grammy Latino é a mais importante premiação da música latina. Ao total, são 48 categorias. A lista completa dos indicados pode ser conferida no site da Academia Latina.

Curta nossa página no Facebook

Cantora Gabriela Rocha se apresenta em Manaus numa noite de adoração

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Evento está marcado para amanhã (23) no Ministério Internacional Chama Evangelística (Mice), zona Norte de Manaus


Com sete milhões de seguidores nas redes sociais, a cantora cristã Gabriela Rocha se apresenta neste sábado (23) no Ministério Internacional Chama Evangelística (Mice) situado na avenida Bispo Pedro Massa, bairro Cidade Nova 2, zona Norte de Manaus.

A cantora destaca que as expectativas são muitas para estar adorando novamente em Manaus e explica o que está preparando para o público manauara. “O povo manauara é sempre tão carinhoso com nosso ministério, nos recebe com tanto amor, não vejo a hora. Será uma noite na presença do Espírito Santo, disso eu tenho certeza. Espero que todos estejam preparados para darem o seu melhor para Rei, será muito lindo.”

Gabriela iniciou sua carreira com 11 anos, participando do concurso Jovens Talentos em um programa de TV em 2005 e, em 2007, após diversas disputas, ganhou o concurso.

Em 2011, Rocha participou do CD e DVD ao vivo do cantor Thalles Roberto, cantando a canção “Nada Além de Ti”, que teve repercussão grande nas rádios, igrejas e redes sociais.

No final de 2012, Gabriela lançou seu primeiro CD, de nome “Jesus”, as canções se espalharam pelo Brasil, como “Estás Comigo” e “Creio que Tu és a Cura”, o último clipe publicado por ela “Meu Salvador” já ultrapassou 400 mil visualizações.

“São alguns anos sendo usada para adorar o nome dEle e ver as pessoas sendo alcançadas pelas músicas que Ele nos deu, é muito lindo. O foco é sempre que o amor dEle seja passado”, enfatiza Gabriela.

O presidente da igreja Mice, o apóstolo Richard Mattos, conta que espera entre 1 mil a 1,3 mil pessoas no evento que está marcado para iniciar às 19h com o pré show da cantora Sandy Mattos e terminará aproximadamente 22h com a atração principal.

“O evento será em um ambiente familiar, muito bem organizado e a Gabriela é uma das cantoras cheia da graça de Deus e temos a certeza que será uma noite inesquecível para os participantes”, comenta.

Os ingressos estão disponíveis no Shopping da Bíblia do bairro Centro e São José Operário e também em bilheterias no dia do evento nos valores de $ 40,00 e R$ 60.

Serviço

Evento: Gabriela Rocha em Manaus

Data e horário: 23 de setembro (Sábado) às 19h

Local: Ministério Internacional Chama Evangelística (Mice)

Ingresso: R$ 40 e R$ 60

Ponto de vendas de ingressos: Shopping da Bíblia, na avenida Autaz Mirim, bairro São José Operário e na rua Henrique Martins, bairro Centro.

Informações: (92) 99366-7492

Curta nossa página no Facebook

Morte de jornalista que largou quimio levanta debate sobre terapia alternativa

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Desde que deixou a quimioterapia, o apresentador passou a realizar viagens para receber o tratamento alternativo em Juiz de Fora (MG)


Diagnosticado no início de maio com um câncer de pâncreas em estado avançado - com a metástase atingindo o fígado -, o jornalista e apresentador de TV Marcelo Rezende, de 65 anos, logo iniciou o procedimento recomendado para esse caso: o agressivo tratamento com medicamentos quimioterápicos. Em 13 de junho, porém, Rezende anunciou que abandonara a quimioterapia após a primeira sessão, contrariando seus médicos, para tentar um tratamento alternativo com base em uma dieta.

O caso ganhou repercussão nacional e levantou o debate sobre os riscos de trocar a quimioterapia por tratamentos sem base em evidências científicas, como dietas, exercícios, suplementos, vitaminas, massagens, ervas, acupuntura e meditação. O jornalista morreu no sábado, 16, e seu corpo foi enterrado ontem no Cemitério Congonhas.

Embora afirmem que as terapias alternativas possam mesmo ajudar o paciente a enfrentar os severos efeitos colaterais da quimioterapia, os estudos e os especialistas consultados pela reportagem são unânimes: esses métodos podem ser usados de modo complementar, mas não têm eficácia comprovada contra o câncer e são incapazes de substituir o tratamento convencional.

No caso de Rezende, a terapia alternativa escolhida foi a chamada dieta cetogênica, que se baseia em evitar açúcar e carboidratos. Desde que deixara a quimioterapia, o apresentador passou a realizar viagens para receber o tratamento alternativo em Juiz de Fora (MG), onde atua o cardiologista, nutrólogo e autor de livros de autoajuda Lair Ribeiro, um dos principais defensores da dieta cetogênica.

O conceito por trás da dieta cetogênica é bastante simples: as células cancerosas precisam de glicose para crescer e, ao evitar o consumo de carboidratos e açúcares, o paciente cortaria a alimentação do tumor, fazendo-o regredir por inanição.

O oncologista clínico André Sasse, coordenador do Centro de Evidências em Oncologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), é taxativo: esse tratamento simplesmente não funciona "A dieta cetogência é totalmente anticientífica, assim como as dietas para alcalinizar o organismo. Não faz sentido do ponto de vista biológico. O tumor vai continuar crescendo", disse Sasse.

A opinião é compartilhada pelo também oncologista clínico Felipe Ades, do Hospital Israelita Albert Einstein. Ele lembra que a ideia da dieta cetogênica foi proposta pela primeira vez pelo americano Raymond Rife, em 1931. "Ele foi genial ao seu tempo, mas lhe faltava conhecimento, como da estrutura do DNA, só descoberta em 1953. Mais tarde foi provado que alterações celulares - e não a glicose - causam o câncer. Se o paciente para de comer açúcares, o corpo vai produzir glicose do mesmo jeito", explica.

De volta ao passado

Sasse afirma que o tratamento convencional tem evoluído com os avanços científicos e tecnológicos e que vários tipos de câncer já são curáveis com quimioterapia, mesmo em estado avançado. "Abandonar um tratamento testado e aprovado e substituí-lo por terapias alternativas é o mesmo que retroceder 20 anos, quando não tínhamos tratamentos tão eficazes", diz.

O oncologista Helano Freitas, coordenador de Pesquisa Clínica do A. C. Camargo Cancer Center, explica que no caso do câncer de pâncreas, quando se descobre a metástase, é muito raro que o paciente sobreviva mais de um ano sem tratamento. Ele cita um estudo britânico de 2006: "Com quimioterapia ou radioterapia, 58% dos pacientes estavam vivos após um ano. Sem eles, não havia sobreviventes depois de um ano. O risco de morte ao longo do primeiro ano foi 66% maior entre os pacientes que não faziam o tratamento recomendado", disse.

Complemento

Especialistas defendem que dietas e terapias alternativas, não fundamentadas em evidências científicas, podem ser boas como tratamento complementar.

"Mas devem se limitar a isso, jamais se pode abrir mão dos tratamentos com resultados comprovados. Os hábitos saudáveis e as atividades físicas devem ser estimulados, mas não substituem tratamentos", diz o oncologista clínico André Sasse, coordenador do Centro de Evidências em Oncologia da Unicamp.

Há uma ressalva. Quando os médicos sabem que o paciente não poderá ser curado, eles podem interromper a quimioterapia - especialmente em casos avançados nos quais a pessoa não sobreviveria o suficiente para se beneficiar do tratamento.

"Mas caso exista alguma chance, é preciso fazer a quimioterapia, mesmo com os impactos na qualidade de vida. Se não for feita, o câncer vai crescer e aí sim a pessoa perderá mais qualidade de vida, com dor, fadiga, enfraquecimento", explica o oncologista Felipe Ades, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Os dois citam um artigo publicado em agosto na prestigiada revista científica Journal of the National Cancer Instiute, que revela os impactos deletérios das terapias alternativas no tratamento de pacientes de câncer.

O estudo, da Universidade Yale (EUA), mostrou que as terapias sem base científica estão ligadas a taxas mais baixas de sobrevivência. Os cientistas avaliaram 840 pessoas com tumores colorretal, de mama, próstata e pulmão. Após cinco anos, 78,3% dos que usaram tratamento convencional estavam vivos, ante 54,7% dos que optaram por terapia alternativa. "O estudo mostrou que, em alguns tumores, o risco de morte dobra entre os que abandonam o tratamento convencional. As pessoas estão trocando algo que funciona comprovadamente para 90% dos pacientes por uma terapia que não foi estudada, ou que simplesmente não funciona", diz Sasse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Curta nossa página no Facebook

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015