Colunas

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Viver intensamente a infância é uma das dádivas divinas que acontecem na vida de um ser humano. Brincar, correr, divertir-se, gritar, carrinhos para os homens, bonecas para as mulheres, criatividade para inventar o mundo adulto sem malícia, ou seja, verdadeiramente vivenciar uma fase em que não se tem responsabilidade e, nem precisa ter, já que o extravasamento é permitido em função de uma vida saudável.

O mundo evoluiu, a sociedade em alguns aspectos também. Entretanto, alguns pagam o ônus desse progresso, principalmente aqueles que fazem parte da classe menos abastada financeiramente, que suportam sobreviver através da “mais valia”, outros, em função do subemprego e, que, nem todos os dias têm o prazer de sentar-se à mesa e oferecer uma ceia digna para os dependentes. Qual o resultado desse caos social, em virtude do modelo econômico que foi adotado pelo mundo?

As conseqüências são infindáveis, entretanto, o perecimento ou a inexistência da infância é uma das piores. Boca do Acre vive isso “na pele”, é doloroso, mas existe, é inaceitável, mas, está às vistas de todo mundo e ninguém se mexe para tentar curar esse mal. São exemplos que fogem à capacidade do ser humano de crer em fatos inimagináveis, que acreditamos somente ver nas favelas do Rio de Janeiro, ou de qualquer outra grande metrópole brasileira.

Pasmem, senhoras e senhores, há uma significativa população infantil bocacrense que nunca soube o que é a infância. Jamais desfrutou do prazer de alegrar-se e viver os melhores momentos de suas vidas, mas, o mais incrível é que elas ainda são infantes, entretanto, interiormente elas já estão totalmente transformadas, deformadas, psicologicamente elas acreditam ser “gente grande”, consumindo drogas, prostituindo-se por míseros reais para sustentar o vício que já está radicado em suas entranhas.

Hoje, elas não repousam mais o sono dos anjos. Suas aparências são cansadas, desgastadas, exauridas por noites sem pregar as pestanas, tudo por conta da busca insaciável da droga que já lhe tomou o SER, a transformou em mulher antes do tempo, que a fez garota de programa, sustentando a tara de inescrupulosos só para poder obter o objeto da “felicidade”, um baseado que terá efeito imediato e a fará sorrir, acreditando que o pesadelo de suas vidas é um sonho, que se pode sonhar acordado.

Socorro! Sei que elas gritam, que elas suplicam em seu interior. Será que alguém já fez alguma coisa além de dizer “menina vai dormir”? Será que algum ente público, que tem o poder de tomar as decisões já se preocupou em tentar dar vida a essas crianças que perderam sua inocência e, passaram a viver momentos inadequados para suas idades biológica e mental.

ACHO que não. Pois elas não exalam um odor agradável, andam mal vestidas, chamam palavrões e é uma vergonha estar ao seu lado. Não são leprosos na Idade Média, todavia em pleno apogeu de uma sociedade que se auto proclama perfeita, essas pessoas são descartadas, marginalizadas, são inconvenientes, não é aconselhável aos cofres públicos investir no social, pois não são obras com arquiteturas vistosas que podem ser admiradas e, consequentemente dar sustentabilidade no próximo pleito e garantir mais quatro anos.

Enquanto se pensa e se aceita isso, o tempo vai passando, seus dias de vida vão sendo subtraídos e as pessoas que as vêem à beira da calçada, mendigando sexo em permuta de entorpecente, criticam-nas com todas as forças, afirmando serem elas as grandes culpadas de tudo. Elas perderam seus momentos mágicos da vida e ainda são a escória de uma sociedade eminentemente hipócrita.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Nas barrancas o cantar percorre o altar melódico do vento, levando o intuito do poeta a dispara o silencio contra o peito, Lá no Seringal de Tonho das Letras, a morena de pele encarnada, encarna o perfil lírico do vento norte; que por sorte exala o desejo da morte criança. EXTRA! EXTRA! A Cólera freudiana, dispara na bolsa onírica das cabritas latinas.

As cordas entrelaçam sonidos andinos, e no porto da antiga Santa Maria:os carregadores ficam a sorrir em aplausos; Quem carece solenemente de história política? Que os anjos digam AMÉM...

Quem será o maestro da orquestra! As vozes se multiplicam na floresta, respondendo em uma só voz: Tem de ser de nossa tribo! é mesmo tem de ser!

A elegante Cigarra, caliente em seu falar, dispara : quem vive a cantar, pode ministra sem vacilar: afinal só as experiência traz a perfeição, de repente, não mais que de repente; os gritos da platéia forma a maior sinfonia já vista no sul úmido do Amazonas. Que ama sua terra: ama, ama, Amazonas.

Se não desarmar o pacto da tribo cara crachá! Cara crachá! A festa de Tupy, vai vira chá da tarde; mesmo que tudo isso seja muito tarde.

Já não era tão cedo assim, para a procissão dos oprimidos dispararem o multiplicar por mil, das setes nota musicais básicas, ainda assim, acrescentando alguns sustenidos de lambuja.

EXTRA! EXTRA! A festa vai começar.

A Festa é bumbá ou bumba meu boi?

- Sei lá seu moço, parece que tem Chico Mendes na linha do trem.
Que o trem não pare!

Por: Leonan Monteiro Nobre

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A droga não escolhe classe social, nível cultural, poder aquisitivo, etc. Segundo relatório de pesquisas recentes os jovens são os mais propícios a experimentar e torna-se usuários de drogas, na maioria dos casos os primeiros passos para entrar no mundo das drogas são: a curiosidade, a influência de amigos , a tentativa de reduzir sensações desagradáveis de: rejeição, tensão, ansiedade, solidão, tristeza, sensação de impotência, desejo de fuga principalmente por não possuir maturidade para enfrentar problemas, coragem (para tomar uma atitude que sem o uso de tais substâncias não tomaria), excitação de estar fazendo algo ilegal, aceitação do grupo, sensação de radicalizar, expressão de hostilidade, independência em relação aos pais ou superiores, etc.

Geralmente o usuário se engana em pensar que possui o controle total da situação, dizendo que se usa a quantidade controlada, que para quando quiser, mas na maioria das vezes não é bem assim, pois, quando menos se espera já estar totalmente dominado e logo passa a apresentar as características de dependências físicas influenciadas pelas drogas, deixando a pessoa com sensações que variam de euforia e depressão e que consiste na necessidade de usar constantemente, o que paulatinamente crescer a quantidade das doses e fica incontrolável e impossibilitada a suspensão brusca das drogas. A dependência física é o resultado da adaptação do organismo, independente da vontade do indivíduo, a prioridade passa a ser a droga perdendo o interesse pela família, trabalho e etc. A dependência Psicológica, o indivíduo sente um impulso irrefreável, e procura a droga como ultima saída para a sua existência e passa a sentir a necessidade e o desejo de tomar outra dose ou de se aplicar, que se não satisfeita leva o a um profundo estado de angústia , tristeza e depressão, onde dificilmente outra coisa o satisfaz. Atingir certo nível dessa dependência, podem reproduzir conseqüências completamente devastadoras: rouba-se, mata-se, destrói-se a si mesmo, o vicio passa a controlar todos os passos mesmo que se vá de encontro com tudo e todos, na maioria dos casos passa a se cometer pequenos delitos para satisfazer o vício sem percebe-se adentra-se em crimes violentos e assassinatos.

A droga pode ser um caminho sem volta, pessoas más intencionadas podem iludir dizendo-se amigos, mas que na verdade não é nada disso, eles podem induzir a experimentar e até mesmo patrocinar as primeiras doses, logo procurarão explorar de todas as formas e em seguida desprezar completamente suas vitimas.
Droga não é solução é o aumento do problema e estar contribuindo e financiado o desenvolvimento da criminalidade da violência.
Nem sempre os pais têm separado um tempo para conversar com seus filhos para orientá-los como defenderem-se dos problemas que surgem.

Procure participar de projetos sociais, praticar esportes , procurar uma religião independente de qual seja, procurar sonhar e buscar esse sonho, você estará ajudando a si mesmo, acredite você é muito importante e nós precisamos de seu sorriso.

Fuja da influência de amigos; aprenda sobre os males que a s drogas podem causar; sobretudo, nunca experimente. Fuja de pretexto de comemorações, festas, não se comprometa com o vício; um pouquinho pode ser veneno letal que mesmo em pequenas doses pode ser fatal; se está feliz, fique feliz lúcido; Se está sofrendo, enfrente a dor porque você nasceu para vencer esse problema que você estar passando veio pra te mostrar que você vai supera-lo, pois você é o que sua mente pensa em ser, portanto pense positivo.
Dependência de drogas, acima de tudo, é uma doença. Como toda doença, deve ser tratada, devem se procurar profissionais especializados, a família por sua vez tem que entender que em determinados casos não depende mais da vontade do dependente. É importante que se aceite que se reconheça, mas que acredite que existe uma saída, que após a escuridão de uma noite sempre o sol estará a brilhar ao amanhecer, que o Grande Deus te ilumine.

POR OSCAR JUNHOR

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015