Esporte

Esporte

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Gols, dribles, passes e jogadas bonitas não faltaram. Nesta quarta-feira, o Paris Saint-Germain venceu o Dijon por 8 a 0 em partida válida pela Ligue 1 e Neymar teve atuação de gala. O brasileiro marcou quatro gols e deu duas assistências, mas foi vaiado pela torcida do PSG e saiu de campo cabisbaixo e sem falar com a imprensa.

A polêmica, mais uma vez, aconteceu por causa de uma penalidade máxima. Aos 37 minutos do segundo tempo, Cavani sofreu um pênalti e teve seu nome gritado pela torcida. Se o uruguaio balançasse as redes, chegaria aos 157 gols e se tornaria o maior artilheiro da história do clube, à frente de Ibrahimovic. No entanto, Neymar pegou a bola e converteu a cobrança - e, por consequência, ouviu a insatisfação dos torcedores.

Após a apito final, segundo o , o camisa 10 não se juntou aos companheiros na hora de cumprimentar a torcida. Procurado por um repódirter, Neymar também não quis conversar com a imprensa e passou rapidamente a um membro da comissão técnica o troféu que recebeu como melhor jogador da partida.

Companheiro de Neymar no PSG, o lateral-direito Meunier contemporizou o acontecido: disse que as vaias da torcida foram um ato de ingratidão, mas que o brasileiro poderia ter deixado Cavani bater o pênalti.

"Esse gesto é uma pena e um pouco ingrato (a vaia). Como eu disse antes ele fez quatro gols e deu duas assistências e Cavani é da casa, já faz alguns anos que está aqui e sempre tem uma atitude correta com o clube e os torcedores, além de ser um excelente jogador.Ele é muito querido. Neymar poderia ter dado a bola, seria um gesto de fair play, mas no papel é Neymar quem deve bater os pênaltis e tem essa responsabilidade. Não tem polêmica a ser feita com isso. Eu diria que é normal o que aconteceu", afirmou.
 
Curta nossa página no Facebook

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Atlético e Palmeiras acertaram a troca do lateral-direito Marcos Rocha, de 29 anos, pelo atacante Róger Guedes, de 21. O vínculo de ambos será de empréstimo de uma temporada.

Para assinar com o Verdão, Marcos Rocha renovou contrato com o Galo até dezembro de 2019. O lateral-direito chega com passe fixado.
Antes de assinarem os contratos, os jogadores passarão por exames médicos.

Curta nossa página no Facebook

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Tribunal de Disciplina da Conmebol denunciou o Flamengo em dois artigos nesta terça-feira (19). O clube rubro-negro será julgado por conta dos episódios de violência antes, durante e depois da final da Copa Sul-Americana contra o Independiente, no Maracanã.

De acordo com o UOL, entre as punições previstas para o time brasileiro estão uma multa de 400 mil dólares, perda de mando de campo, mandar partidas fora do Brasil e até a exclusão de competições organizadas pela entidade, como a Libertadores, por exemplo.

O veredito do julgamento será divulgado em janeiro, quando a Conmebol retoma suas atividades após o recesso de festas. Mas vale salientar que o Flamengo vai enviar à entidade um documento com sua defesa na quinta-feira (21).

AS DENÚNCIAS

O primeiro artigo pelo qual o clube foi denunciado é o 11.2, que fala do lançamento de objetos em campo, uso de fogos de artifício e desordem antes, durante e após o jogo, tumultos e a não identificação dos responsáveis.

A outra denúncia, também divulgada pelo UOL e confirmada pelo Esporte ao Minuto, é sobre a segurança e a organização da partida contra o Independiente. Vale dizer que o foguetório ocorrido na porta do hotel que abrigou a deleção do time argentino, na véspera do jogo, também foi citado.

Curta nossa página no Facebook

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015