Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *

Cabeçalho Editorial Palavra de Fé

Palavra de fé

Palavra de Fé

Olhai os Lírios dos Campos

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

"Preciso de óleo" disse um monge.

Então plantou uma muda de oliveira.

"Senhor", pediu ele, ela precisa de chuva, para que suas raízes possam beber e propiciar seu crescimento, "Mande chuva branda que não a machuque".

E o Senhor mandou-lhe chuvas brandas.

"Senhor", pediu novamente, "minha planta precisa de sol, não muito forte que a abrase".

E o sol brilhou dourando as nuvenzinhas chuvosas.

"Agora, preciso de neve para que minha oliveira ganhe robustez", pediu novamente, e a neve caiu sobre a planta.

No entanto, ao acordar no dia seguinte encontrou a plantinha morta.

Então o monge foi a outro e contou-lhe sua experiência.

"Eu também plantei uma oliveira", disse o outro, "e veja como está viçosa", mostrou.

"Eu confiei minha planta ao Deus que a criou.

Ele que a fez sabe do que ela precisa, melhor que monges como eu, não impus condições, não estabeleci meios ou maneiras, apenas pedi: manda o que ela precisa, chuva, sol, vento, neve, Tu o fizestes e Tu sabes.

Nós, como os lírios dos campos crescemos, quer no sol, quer na chuva, e muito mais que os lírios, Deus nos tem amor, e trabalha para quem nele espera, acredite na vida, alguém está cuidando de você, mesmo que não saibamos exatamente o que pedir, se houver amor em nossos corações, receberemos o sol e a chuva na hora certa.

Mesmo que Deus não lhe dê tudo aquilo que pedires, que ele lhe dê o que é melhor para você e para seu crescimento como pessoa, como ser humano. Acredite e tudo será melhor, melhor até mesmo do que você imagina.
Muita saúde, paz.

Escrito por Valricélio Amorim de Araújo

Crença e Conhecimento

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Não é raro se ouvir afirmativas como "eu creio que vai chover", "creio que vai fazer muito frio este ano, creio que vou para o céu ou para o inferno", etc.

Sem dúvida essas são opiniões que não têm nenhum compromisso com a verdade. São meras crenças. E a crença é cega.

No entanto, uma pessoa que conhece meteorologia e tem equipamentos para sondar o clima, poderá afirmar se irá chover ou fazer calor nos próximos dias.

Certamente as pessoas que têm conhecimento são as mais indicadas para opinar sobre os assuntos que dominam.

Não poderia ser diferente quanto às questões relativas às crenças religiosas.

Nesse particular é sempre importante buscar o conhecimento com os sábios que realmente sabem sobre as leis que regem o universo.

Acreditar nesta ou naquela fórmula, neste ou naquele movimento, numa receita qualquer de felicidade, não é próprio de pessoas que desejam saber o porquê e o significado das coisas.

Aproveitando-se das pessoas que aceitam tudo sem exame, sem uma análise profunda das propostas apresentadas, sempre houve e sempre haverá os pregadores de ilusões.

E eles não precisam de muito esforço, não. Basta prometer a felicidade póstuma e receitar uma fórmula simples e fácil, que conseguem inúmeros seguidores fiéis.

Mas, se diante das prescrições perguntássemos se isso realmente nos ajudará e de que maneira; qual será nosso crescimento efetivo, esse tipo de proposta desapareceria.

Temos de convir que, se os cultos exteriores, as promessas fáceis, as palavras decoradas ditas sem emoção, trouxessem felicidade, não haveria nenhum infeliz no mundo.

Comece perguntando a si mesmo se determinada prática lhe fará efetivamente mais feliz, lhe trará mais conhecimento das coisas, mais grandeza d`alma.

Se uma barganha, uma troca de favores, é interessante para ambas as partes ou somente para uma delas.

Pergunte-se o que faria com o objeto que costuma oferecer em troca de um favor dos céus, caso o recebesse de alguém.

Que utilidade teria para você o objeto ou a atitude que oferece como pagamento de um favor.

Se o objeto for oferecido a Deus, que é o supremo senhor do universo, o que Deus faria com a sua oferta?

"Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus".

O que Deus faria com as coisas de César?

O que ele faria com as quinquilharias que nem para nós, criaturas imperfeitas, teriam utilidade?

Busque, assim, o conhecimento das leis morais que regem o universo.

Se você é cristão, encontrará nos ensinos de Jesus informações importantes que lhe ajudarão a abrir os olhos do intelecto e apreciar o mundo de uma forma mais ampla e lúcida.

"A cada um segundo suas obras", afirmou Jesus. Ele é um espírito que possui autoridade intelecto-moral para nos orientar sobre as verdades da vida, pois já trilhou o caminho que hoje estamos percorrendo.

Ao dizer: "Antes que Abraão fosse, eu sou", ele se referia a sua maturidade espiritual, que foi conquistada antes dos primeiros homens habitarem o planeta.

Jesus prescreveu o amor a Deus acima de tudo, e ao próximo como a si mesmo. Eis um guia seguro, que nos conduzirá à felicidade eterna.

E amar a Deus é conhecer suas leis e vivê-las. As leis naturais e as leis morais.

Mesmo antes de Jesus vamos encontrar sábios que também ensinaram grandes verdades, como Sócrates, Platão, Aristóteles, entre outros.

Em vez da crença cega, que certamente nos levará a grandes decepções e desilusões, optemos pelo conhecimento das coisas.

Somente o conhecimento da verdade nos fará livres. Livres de tantas esquisitices e fórmulas sem sentido que só nos retardam o acesso à felicidade que desejamos tanto.

Pense em todas essas considerações, e opte por uma das alternativas: crença cega, ou conhecimento lúcido e fé inabalável.

"À medida que o conhecimento aumenta, o espanto se aprofunda."

 

Texto enviado por Valricélio Amorim de Araújo

Designed by ABCMIX Joomla Site Designer - 2015